Chapeuzinho Vermelho de Raiva

Editora Globo, 1970 RolloverBackArrow

– Senta aqui mais perto, Chapeuzinho. Fica aqui mais pertinho da vovó, fica.

– Mas vovó, que olho vermelho… E grandão… Queque houve?

– Ah, minha netinha, estes olhos estão assim de tanto olhar para você. Aliás, está queimada, heim?

– Guarujá, vovó. Passei o fim de semana lá. A senhora não me leva a mal, não, mas a senhora está com um nariz tão grande, mas tão grande! Tá tão esquisito, vovó.

– Ora, Chapéu, é a poluição. Desde que começou a industrialização do bosque que é um Deus nos acuda. Fico o dia todo respirando este ar horrível. Chegue mais perto, minha netinha, chegue.

– Mas em compensação, antes eu levava mais de duas horas para vir de casa até aui e agora , com a estrada asfaltada, em menos de quinze minutos chego aqui com a minha moto.

– Pois é, minha filha. E o que tem aí nesta cesta enorme?

– Puxa, já ia me esquecendo: a mamãe mandou umas coisas para a senhora. Olha aí: margarina, Helmmans, Danone de frutas e até uns pacotinhos de Knorr, mas é para a  senhora comer um só por dia, viu? Lembra da indigestão do carnaval?

– Se lembro, se lembro…

– Vovó, sem querer ser chata.

– Ora, diga.

– As orelhas. A orelha da senhora está tão grande. E ainda por cima, peluda. Credo, vovó!

– Ah, mas a culpada é você. São estes discos malucos que você me deu. Onde se viu fazer música deste tipo? Um horror! Você me desculpe porque foi você que me deu, mas estas guitarras, é guitarra que diz, não é? Pois é; estas guitarras são muito barulhentas. Não há ouvido que aguente, minha filha. Música é a do meu tempo. Aquilo sim, eu e seu finado avô, dançando valsas… Ah, esta juventude está perdida mesmo.

– Por falar em juventude o cabelo da senhora está um barato, hein? Todo desfiado, pra cima, encaracolado. Que qué isso?

– Também tenho que entrar na moda, não é, minha filha? Ou você queria que eu fosse domingo ao programa do Chacrinha de coque e com vestido preto com bolinhas brancas?

Chapeuzinho pula para trás:

– E esta boca imensa???!!!

A avó pula da cama e coloca as mãos na cintura, brava:

– Escuta aqui, queridinha: você veio aqui hoje para me criticar é?! RolloverBackArrow

Anúncios