Você já fez sexo com alicate?

inicioGosto das cartas de leitores e leitoras, sim. Principalmente com humor, como esta que eu vou transcrever, na íntegra. Como o leitor usou um pseudônimo (Ambrose Bierce IV: ou isso é nome de gente mesmo?), tenho todo o direito.

O tema da carta foi aquela crônica onde eu tergiversava sobre a importância do joelho na relação sexual. Disse o senhor Bierce IV:

Parabéns pelo brilhante artigo sobre a importante questão sexo/joelho. Mostra o artigo, entretanto, desconhecimento das reais questões sexo/joelho, que são aquelas do pós-operatório. É nesta fase difícil que o cuidado é maior e em que está presente a muleta, este formidável aparato de sustentação.

No pós-operatório, são três, e somente três, as soluções a dois. A saber:

Solução escrivaninha: a parceira, de pé, apóia o abdômen sobre a escrivaninha, eventualmente forrada com quantidade de livros que acerte a altura da ferramenta. Com a muleta dando sustentação à perna ruim e a perna boa dando a impulsão, faz-se o serviço.

Solução cachorro: a parceira, de quatro na cama, com os joelhos apoiados sobre quantidade de travesseiros convenientemente e as nádegas perfeitamente alinhadas com a borda do leito. Procedimento como no caso anterior.

Solução Persig: o doente deita-se de barriga, e tudo mais, para cima. A parceira se põe de cócoras sobre a ferramenta e executa movimentos verticais acelerados conforme: em baixa contração, tipo alicate, em cima descontração, desce descontraído e então alicate de novo e assim por diante.

Nos dois primeiros casos o doente está com as mãos ocupadas: uma na muleta e a outra enlaçando o abdômen da parceira. No terceiro caso, as mãos estão liberadas, porém é comum que uma delas seja usada para proteger o joelho e a outra para assegurar o equilíbrio da performer.

Cumpre notar que em qualquer dos três casos, a atenção do doente está, inevitavelmente, no joelho. Este natural descaso com o principal pode causar perda de sustentação, nos dois primeiros casos. No terceiro, pode resultar em crise de risos. Assim, nos três casos, há uma alta probabilidade de fracasso. Isso não deve, em absoluto, desestimular a experimentação.

Sendo o que nos vem pelo momento, subscrevemo-nos, atenciosamente.

Esta era a carta do leitor que não tinha mais nada a fazer na vida e que também deve sofrer das mazelas das suas articulações.

Se, por um lado, veio trazer uma certa luz ao meu sofrimento mencionado em crônica passada, deixou-me com algumas dúvidas.

Meu senhor, nem eu, nem minha parceira, entendemos o tal do alicate. Se o senhor tivesse usado outras ferramentas como martelo ou mesmo prego (e porque não dizer furadeira?), teríamos seguido suas instruções. Mas alicate

Em que hora o alicate entra em cena? Ou na cama? Para segurar a muleta, aumentar a altura dela, beliscar alguma parte do corpo da parceira ou mesmo a minha? Será que não machuca, senhor Bierce IV? Favor mandar nova carta, falando somente do alicate.

RolloverBackArrowRolloverBackArrow2

Anúncios