Crítica NY Times

Como chamar um homem que, repentinamente, enriquece? ‘Pai’ RolloverBackArrow
Por Stephen Holden, publicado em 30 de abril de 1999

Clique na imagem para ler em inglês

Clique na imagem para ler em inglês

E se os momentos cruciais da biografia de alguém forem pouco mais do que peculiaridades, casualidades, rompantes de sorte e conecções perdidas? Essa é a visão paradoxal de existência proposta por “Testamento”, uma história colorida e altruísta que investiga a vida e os momentos de Napumoceno da Silva Araújo (Nelson Xavier), o homem mais rico de Cabo Verde.

Como é narrado pelo personagem fictício em uma série de fitas cassetes herdadas por sua filha ilegítima, Graça (Maria Ceica), o afortunado momento de virada na carreira dele começa com um erro de escritório que envolve um carregamento de guarda-chuvas. Araújo, um aspirante a magnata da importação e exportação em Cabo Verde, arquipélago no oeste africano, na costa do Senegal, decide fazer uma extravagância e importa milhares de guarda-chuvas. Embora não tenha chovido no local há mais de um ano, ele imagina que eventualmente irá chover e, em todo caso, os guarda-chuvas podem ser vendidos para proteção do sol.

Mas quando o carregamento chega, graças à inserção acidental de um zero a mais por uma secretária atrapalhada, chegam 10.000. Convencido que está arruinado, Araújo implora a todos para que rezem para chover. O céu miraculosamente abre, e um dilúvio catastrófico engole sua cidade natal de Mindelo. Os guarda-chuvas são rapidamente vendidos. Araújo, agora repentinamente rico, é reverenciado como um genial e perspicaz homem de negócios.

Não importa que a ideia de alguém enriquecer com a venda de 10.000 guarda-chuvas não seja conclusiva. “Testamento”, adaptado por Mario Prata a partir de um romance do escritor cabo-verdiano Germano Almeida, e com elenco de atores brasileiros, é na verdade uma radiante parábola sobre o mistério e a imprevisibilidade cômica da vida. Ninguém ganha o que espera no filme. Carlos (Chico Diaz), o sobrinho ganancioso e aparente herdeiro de Araújo, fica desolado quando seu tio deixa o bolo da fortuna para Graça, uma jovem moça a qual ele desconhecia a existência.

Graça fica tão surpresa pela sorte inesperada quanto os outros. Sua mãe, que jurou segredo sobre a paternidade dela, nunca disse a Graça que aquele arrepiante senhor de idade que costumava segui-la, a incomodando e oferecendo-lhe dinheiro, era na verdade seu pai. Para receber sua herança, Graça tem que se mudar da casa da mãe para a grande propriedade de Araújo e ouvir as memórias de seu falecido pai, gravadas em fitas cassetes. As histórias contadas por ele são rápidas lembranças do passado, que compõem o coração do filme.

Em acordo com a narrativa fantasmagórica e fantasiosa, “Testamento” foi dirigido por Francisco Manso como uma comédia surreal descentrada cujos personagens, maiores do que a vida, parecem se divertir mesmo quando choram e se descabelam de frustração. O Sr. Xavier Araújo é rústico, preocupante e metido a esperto. Extremamente auto-preservado e desenfreadamente impulsivo, ele tem uma foto dele mesmo pendurada na parede do escritório entre o retrato de Abraham Lincoln e uma reprodução da “Mona Lisa”.

O filme valoriza muito sua triste e cômica vida amorosa, que começa com a sedução impulsiva da mãe de Graça na mesa do escritório, continua com uma stripper que lhe dá uma doença venérea e culmina com um romance, que dura de maio à dezembro, com a misteriosa Adélia (Karla Leal), uma jovem e bela mulher que parte seu coração.

“Testamento”, que estreia hoje no Cinema Quad, é tão segmentado que, muitas vezes, parece uma série de vinhetas desconectadas. E nem todos os mistérios que ele revela valem o desenvolvimento. Com a cadência animada da música popular de Cabo Verde (incluindo uma música da estrela internacional Cesaria Evora), o filme exala o charme de um conto popular moderno contado vagarosamente numa tarde preguiçosa, quando não há nada melhor a fazer do que contar histórias da carochinha.

TESTAMENTO

Dirigido por Francisco Manso; roteiro (em português, com legendas em inglês) de Mario Prata, baseado no romance de Germano Almeida; diretor de fotografia, Edgar Moura; edição por Luis Sobral; música por Tito Paris e Toy Vieira; designer de produção, Antonio Gonçalo; produzido por Jose Luis Vasconcelos. No Cinema Quad, 13th Street, Greenwich Village. Tempo de duração: 110 minutos. Este filme não tem classificação.

COM: Nelson Xavier (Napumoceno), Maria Ceica (Graca), Chico Diaz (Carlos), Zeze Motta (Eduarda), Karla Leal (Adelia), Cesaria Evora (Arminda) e Via Negromonte (Mari Chica).

Tradução: Ana Paula Laux RolloverBackArrow
Anúncios